Notícias

Testes de DNA e a fraude na venda de pescados em Florianópolis

FILE-DE-PANGASIUS-IQF-INTERF-CAPA

Por Thiago Piazza – Vender gato por lebre é coisa do passado, a novidade agora é vender panga por linguado!

Em 2014, oficiais do PROCON da Capital confiscaram 30 amostras de pescado fresco, cozido, congelado e frito em peixarias, supermercados e restaurantes de Florianópolis. Foram coletadas amostras de espécies comercialmente importantes como bacalhau, linguado, garoupa, atum e congrio-rosa. Em seguida, testes com Código de Barras de DNA (DNA Barcoding) foram realizados pela empresa mineira de biotecnologia Myleus, em parceria com o PROCON de Florianópolis, e publicados no final do ano passado na revista Food Control pelos pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Os resultados deste estudo demonstraram que 24% das amostras coletadas eram fraudes. Espécies de alto valor comercial como o linguado, congrio-rosa e bacalhau foram substituídas por espécies mais baratas como o panga e a polaca do Alasca, incompatíveis com a normatização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e com o Código de Defesa do Consumidor. Os estabelecimentos envolvidos nos casos de fraudes foram notificados oficialmente pela Agência Reguladora Governamental e sofreram multas.

O método de Código de Barras de DNA faz um comparativoentre o DNA das amostras coletadas e o DNA catalogado no banco de dados genético mundial das espécies de peixes, podendo assim verificar se determinada espécie de pescado à venda é a mesma anunciada ao consumidor. Desta forma é possível verificar de forma rápida e confiável a autenticidade de produtos de origem aquática como o pescado. Entre os procedimentos utilizados nesta técnica estão a extração e sequenciamento de DNA e a PCR. Enquanto a extração consiste em retirar e isolar o material genético da amostra, a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) tem por finalidade replicar várias vezes determinada parte de interesse deste material, que por sua vez será sequenciado e interpretado em núcleotídeos representados por letras (A – Adeninda, C – Citosina, G – Guanina e T – Timina). Após estes procedimentos, tais letras podem ser então comparadas com outras sequências registradas em bancos de dados mundiais.

Leia o artigo completo clicando aqui.

Fonte: observasc
Foto: kanemar.com.br

Previous post

Acordo garante desenvolvimento da pesca esportiva no Brasil

Next post

Que tal uma tainha de cativeiro?

carlos

carlos

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezoito =